Como conquistar um duque & Se eu tivesse um duque – Lenora Bell [Opinião]

40655689.jpg

Sinopse:

Solicita-se o prazer da sua companhia em Warbury Park. Virão quatro encantadoras senhoras… mas só uma pode ser duquesa.
James, o indecoroso e pouco civilizado duque de Harland, exige uma noiva com uma reputação imaculada para um enlace puramente de negócios. A luxúria é proibida e o amor está fora de questão.

Quatro jovens ladies. Três dias. O que pode correr mal?

Charlene Beckett, a filha não reconhecida de um conde e de uma cortesã, acabou de receber uma fortuna que lhe pode mudar a vida para se fazer passar pela sua meia-irmã, Lady Dorothea, e conseguir um pedido de casamento do duque. Tudo o que precisa de fazer é fingir ser uma perfeita rosa inglesa, respirar e fazer vénias em vestidos muitíssimo apertados… e manter o duque longe, muito longe do coração. Continuar a ler

Anúncios

As Flores Perdidas de Alice Hart – Holly Ringland [Opinião]

1093940_asfloresperdidasdealicehart_3d_1538382860_3.jpg

Opinião:

As flores perdidas de Alice Hart é a estreia da autora australiana Holly Ringland e consequentemente a sua estreia em Portugal. Este livro chegou-me às mãos através da Porto Editora, fruto da nossa parceria.

Neste livro conhecemos a Alice Hart de 9 anos que vive com os pais numa zona junto ao mar, isolados da maior parte das pessoas. Alice é uma menina muito peculiar e inteligente que vive rodeada da natureza e do amor que a mãe tem pelas flores. A mãe de Alice lê a linguagem das flores nativas da Austrália.

A família da Alice não é perfeita, o pai é um homem perturbado que bate na esposa e na filha, proibindo-as de ter qualquer contacto com o mundo exterior. Depois de sofrer uma grande tragédia, a vida de Alice muda completamente e ao longo do livro vamos acompanha-la no seu crescimento, vendo-a também tornar-se uma adulta, uma mulher que lê a linguagem das flores.

Como já devem ter percebido, este é um livro que gira em volta das flores. A autora com grande mestria escreveu o enredo em torno da história das flores, de como estas conseguem contar a vida de Alice e como acabaram por influenciar a sua vida e a da sua família.

“Ia ajeitar o vestido quando percebeu que não trazia nenhum; ainda estava de camisa de noite. Não lhe ocorreu mudar de roupa quando resolveu fugir de casa. Sem saber o que fazer ou para onde ir, Alice ficou onde estava, beliscando os pulsos até os deixar vermelhos-vivos; a dor exterior distraiu-a da que sentia por dentro. Só parou quando uns raios de luz colorida lhe entraram no olhar.” Continuar a ler