Os muitos nomes do amor – Dorothy Koomson [Opinião]

11390337_1009679662405336_8028998534950762289_n

Opinião:

Não tenho dúvidas nenhumas sempre que afirmo que Dorothy Koomson é uma das minhas escritoras favoritas. Os seus livros são, no geral, fantásticos e deles todos apenas houve um que não me arrebatou tanto, talvez por se afastar um pouco do gênero de histórias que costuma contar. Dito isto, talvez eu seja um pouco suspeita para falar sobre este livro, no entanto, vou deixar a minha opinião.

Neste livro Dorothy conta a história de Clemency, uma mulher adulta que foi adotada quando era bebé mas que sonha em conhecer os seus pais biológicos para que assim se possa conhecer um pouco mais.

No geral eu adorei este livro, adorei a história assim como foi contada, no entanto, não posso deixar de apontar alguns pontos negativos. Houve momentos a meio do livro em que a história parecia estar a se arrastar, o que desmotivou um pouco a leitura. Outro ponto negativo foi a relação entre Clemency e o marido. Uma relação que eu achei extremamente estranha assim como a reação que Clemency adotou para com o marido (quando lerem vão perceber o que quero dizer).

Tirando estes pontos que eu achei que desvalorizaram o livro, a história é comovente e fala sobre a descoberta da identidade de si própria, da descoberta do seu passado e das suas raízes. Fala (como já vem sendo habitual) de racismo, do abandono, de doença, da eutanásia, da traição e da confiança.

Todos os personagens são interessantes mas é sem dúvida Clemency que se destaca pela sua força e por nunca se deixar abalar por tudo o que se vem a revelar ao longo das suas descobertas familiares. Gostei muito da mãe adotiva de Clemency porque mostou acima de tudo que as mães não são perfeitas, mas é nas suas imperfeições que amam os seus filhos mais que tudo na vida.

Por isto e por muito mais para mim este é um livro que merece 5 estrelas. Adorava poder conhecer esta autora pessoalmente!

5*

Sinopse:
Clemency Smittson foi adotada em bebé, e a única ligação à mãe biológica é um berço de cartão com borboletas pintadas à mão. Agora adulta, e em constante conflito com sentimentos de perda e rejeição, decide mudar drasticamente de vida e voltar a Brighton, a cidade onde nasceu.
Mas Clem não sonha que é lá que vai encontrar alguém que sabe tudo sobre a sua caixa das borboletas e a verdadeira história dos seus pais biológicos.
E quando percebe que nem tudo é o que parece, e que talvez tenha sido injusta com aqueles que mais a amam, haverá tempo para recuperar o que foi perdido?

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s