Provocadora – Madeline Hunter [Opinião]

Provocadora

Opinião:

Madeline Hunter é provavelmente a autora de romance histórico mais conhecida das leitoras portuguesas e tal como todos os outros livros publicados em Portugal desta autora, Provocadora deverá ser mais um sucesso de vendas. Provocadora é o segundo volume da série As flores mais raras e passa-se na altura da Regência.

O livro anterior Deslumbrante apesar de ter sido engraçado não foi de todo o meu livro favorito de Madeline Hunter, ficando muito aquém das expectativas. Por isso quando comecei a ler este e notei que o enredo tinha evoluído fiquei muito satisfeita e com mais vontade de o ler.

Com uma narrativa cuidada e elegante, Madeline Hunter traz mais um romance de época onde além do romance predominante entre os dois protagonistas principais, nota-se um cuidado por apresentar outros pormenores que lembrem o leitor que este é um romance histórico.

O que mais gostei deste romance é que ele foge dos padrões habituais já que nenhum de ambos sente paixão ou até atracção quando se juntam em matrimónio. Esse sentimento só acaba por surgir mais tarde com o envolvimento inevitável de ambos e foi realmente surpreendente como se desenrolou.

O mistério por detrás da história também esteve presente assim como o erotismo que a autora sabe como transformá-lo em puro romantismo dando um toque de sensualidade ao livro e às suas personagens.

4*

Sinopse:
Verity Thompson desapareceu no dia do seu casamento. O seu paradeiro manteve-se secreto durante dois anos. Um longo período em que o marido, o conde de Hawkeswell, viveu na penúria e na incerteza. Verity deixou para trás uma fortuna imensa mas inacessível, pois o seu óbito não foi declarado. Nem poderia sê-lo pois ela está bem viva. Ao ser obrigada a casar, Verity fugiu de Londres e refugiou-se, incógnita, no campo. Sem qualquer interesse pelo título ou estatuto do marido, abdicou da sua fortuna em troca da liberdade. Mas o passado tem os seus próprios desígnios e a jovem vê-se agora obrigada a regressar à cidade e a um casamento sem amor. Por seu lado, o arrogante Hawkeswell está disposto a chegar a um acordo: se Verity lhe conceder três beijos por dia, ele não a obrigará a cumprir os deveres conjugais. Mas, claro, há beijos e beijos… e Verity vai perceber até que ponto se arruinou ao entregar-se às mãos hábeis de um mestre.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s