Introdução às psicoterapias comportamentais – Óscar F. Gonçalves

«Este livro constitui um manual introdutório à prática da modificação do comportamento em contextos clínicos e educacionais, fornecendo os conceitos teóricos e metodológicos fundamentais para o exercício e prática terapêutica neste modelo.»

Eu adorei ler este livro, foi uma grande surpresa para mim! Estava a espera de um livro cheio de teoria, aborrecido, com uma linguagem difícil e nada apropriado ao que preciso de aprender neste momento. Mas que surpresa maravilhosa que foi! Além de uma linguagem extremamente acessível, é um livro que se lê muito rapidamente e que nós oferece um leque variado de técnicas em conjunto com as suas instruções e exemplos.

Para todos os que estão na minha área se ainda não leram este livro, não sabem o que perdem…RECOMENDO!! 😀

Segredos Imorais – Brian Freeman

Sinopse:
“Segredos Imorais é um policial americano que marca a estreia de Brian Freeman na publicação. Já comparado a gurus do género como Harlan Coben (autor editado em Portugal pela Presença), Dennis Lehane e Michael Connelly, o autor arrebatou a crítica internacional e conquistou o aplauso de leitores no mundo inteiro. Com base num caso real de uma rapariga desaparecida no Minnesota, amplamente divulgado nos meios de comunicação social, Freeman criou uma obra que utiliza como tema a sedução, encarnada por uma variedade de casais. Rachel nunca conseguiu perdoar a mãe da morte do pai e quando esta se volta a casar engendra um plano para a polícia chegar à conclusão de que o padrasto a matara. O detective Stride entra em acção e devido à complexidade do caso vê-se forçado a rever todas as teorias especulativas para avançar com a investigação. Uma leitura policial, com os ingredientes clássicos do género mas que é também uma obra sobre pessoas.” 
 
A minha opinião:
Já à algum tempo que não lia um bom policial e soube-me mesmo bem ler este. Tive conhecimento deste livro através do blog Menina dos Policiais…na altura li a opinião da Vera e fiquei muito curiosa! Para minha sorte encontrei-o num site de alfarrabista a um bom preço 🙂
É-nos apresentado o detective Stride que investiga o 2º desaparecimento de uma jovem, Rachel, depois de Kerry outra adolescente tempos antes também já ter desaparecido. Rachel tem uma relação problemática com a mãe o que os leva a por a hipótese de esta ter fugido de casa.
O que eu gostei muito deste livro é que conta a história passada das personagens com o recurso de analepses o que nós permite aproximarmo-nos mais delas e conhecê-las melhor. O livro no se todo é muito misterioso e deixas-nos muito curiosas…e no meu caso eu não fazia ideia de quem poderia ser o assasino…o livro é tudo menos previsível!
Há algum romance também pelo meio…entre Stride e uma professora chamada Andrea e também temos os dialogos engraçados entre Stride e a sua parceira Magie! Depois mais para o fim aparece outra personagem que eu gostei muito chamada Serena, uma detective de Las Vegas, que volta a nos trazer romance entre ela e Stride.
No fim do livro devo vós dizer que fiquei realmente surpreendida e satisfeita! Gostei muito como tudo se desenrolou…aconteceram coisas que eu não estava à espera! Um viva para Brian Freeman! Adorei e recomendo! 🙂

P. S. – Eu Amo-te – Cecelia Ahern

Sinopse:
“Quase todas as noites Holly e Gerry tinham a mesma discussão – qual dos dois se ia levantar da cama e voltar tacteando pateticamente o caminho de regresso ao apetecível leito? Comprar um candeeiro de mesa-de-cabeceira parecia não fazer parte dos planos, e assim o episódio da luz repetia-se a cada noite, num rito conjugal de pendor cómico a que nenhum desejava pôr termo. Agora, ao recordar esses momentos de pura felicidade, Holly sentia-se perdida sem Gerry. Simplesmente não sabia viver sem ele. Mas ele sabia-o, conhecia-a demasiado bem para a deixar no mundo sozinha e sem rumo. Por isso, imaginou uma forma de perpetuar ainda por algum tempo a sua presença junto da mulher, incentivando-a a viver de novo. Mas como se sobrevive à perda de um grande amor? Holly ter-nos-ia respondido: não se sobrevive! Mas Holly sobreviveu!”
A minha opinião:
Eu já tenho este livro a algum tempo, até já o tinha começado a ler antes, mas desistia sempre porque como já tinha visto o filme, pensei que não ia gostar muito de o ler. Enganei-me!! O livro é muitooooo diferente do filme, é muito mais bonito sem sombra de dúvida!
Eu adoro a personagem principal, a Holly, é uma personagem com uma personalidade muito forte e apesar de sofrer muito não desiste de lutar. 
O livro é muito romántico, comovente, sincero e que nós enche de nostalgia. Vale a pena ler. É uma história muito bonita de recuperação…
O marido de Holly morre, mas deixa-lhe cartas, uma para cada mês do ano, onde pede a Holly para fazer algo…e assim ajuda-a a superar a sua morte. Ao lado dela está também a sua familia e acima de tudo as suas amigas mais próximas. A amizade delas é tão bonita que só te faz querer ter amigas assim se já não as tens 🙂
Eu recomendo o livro, é um dos livros mais bonitos que já li!

A competência das famílias – Guy Ausloos

“Fazer terapia não é resolver problemas ou corrigir erros mas mergulhar no mistério das famílias e do seu encontro. Isto implica passar de uma terapia onde o terapeuta observa a uma terapia onde o terapeuta se observa de forma a reflectir essa percepção sobre a família competente, o que permite fazer emergir «a auto-solução». As dificuldades e as mutações dos estatutos parentais, a perda dos valores tradicionais, a violência social, a incerteza quanto ao futuro perante o desemprego e a doença, a evolução dos modelos profissionais, etc., desestabilizam as famílias que têm, hoje em dia, necessidade de ser confortadas na sua paternidade para acompanhar os seus filhos até à idade adulta….”

Comecei a ler este livro porque tenho de fazer uma recensão critíca, mas não o li até ao fim e já decidi que não quero fazer a recensão sobre este livro, não que não tenha gostado do que li, muito pelo contrário, mas porque o tema não é dos meus favoritos e sempre foi um tema que tive muitas dificuldades em o compreender.

Mas em relação ao livro, gostei muito, lê-se bem, percebe-se bem tudo o que o autor nos transmite e é bonito porque ele fala sobre o seu persurso, como tudo começou e fala também dos erros que cometeu e das coisas que faz e como acha que devem ser feitas. Também vai alternando com alguns exemplos de consultas que deu, o que torna o livro muito rico e curioso. Para quem gosta do tem eu RECOMENDO este livro, porque é muito bom e além disso bonito e de fácil leitura. Volto a repetir, não o acabei de ler, pelo simples facto de não ter tempo, tenho outros para ler e tenho de avançar.

A Ignorância – Milan Kundera

Sinopse:
“Irena reencontra Josef por acaso no aeroporto de Paris. Ambos viajam de volta a Praga, reerguida segundo as regras capitalistas depois da queda dos regimes comunistas do Leste Europeu, em 1989. Em comum, eles têm uma história de exílio e um sentimento profundamente nostálgico em relação à paisagem tcheca.
Neste romance sobre a memória, Milan Kundera subverte a noção de nostalgia. O escritor relembra a etimologia da palavra, que em sua origem grega remete ao “sofrimento causado pelo desejo irrealizado de retornar”. Esse sentimento liga-se também à ignorância: só há nostalgia daquilo de que não temos mais notícia. Como afirma o narrador, “acaso” é um outro modo de dizer “destino”. O fascínio que as coincidências e os pequenos retornos exercem é aquele da consciência do presente e de sua ligação com o passado. Na memória, os acasos se harmonizam e ganham beleza.”

A minha opinião: 
 
Neste livro fala-se, sobretudo, dos vínculos sociais em relação ao local de origem e como esses vinculos estão enfraquecidos. Temos duas personagens predominantes, Irena e Josef. Fala-se de amizade e uma das coisas que mais me recordo não sei bem porquê é que não se faz perguntas dos anos que se passou fora do pais. Apesar do desejo de voltar, esse desejo vai sendo destruido aos poucos.

Não posso falar muito do livro porque já o li a uns 2 anos atrás e não me recordo bem dele, mas lembro-me que foi a primeira vez que li algo deste autor e gostei muito. É um tipo de literatura ao qual não estou habituada, confesso, mas deu-me prazer ler, porque fala muito de nostalgia e saudade, temas que gosto muito.

Nunca te Perdi – Linda Howard

Sinopse:
“Milla Edge mudou-se recentemente para o México, onde o seu marido David, foi colocado como médico. A vida deles é um sonho. Acabaram de ter o primeiro filho, e estão tremendamente apaixonados. Ambos se deliciam com a nova vida, e Milla está no auge do seu brilho maternal quando lhe roubam o bebé Justin das suas próprias mãos.
Uma década mais tarde, Milla é uma mulher diferente. O casamento há muito que terminou e a sua vida é totalmente dedicada à Organização Não Governamental que lidera: Finders. À caça de criminosos, ela percorre os lugares mais desoladores do mundo à procura de crianças raptadas (incluíndo o seu filho que nunca aceitou perder). Dois homens cruzam o seu caminho: True Gallagher, um dos grandes mecenas da sua instituição, e Diaz um perigoso mercenário, tão interessante como misterioso.
Quanto mais Milla se aproxima das respostas, maiores são os perigos que enfrenta. E ninguém brinca com os cabecilhas das redes de tráfico infantil.”
A minha opinião:
Como poderão ler na sinopse, o livro desenrola-se assim mesmo, o bebé de Milla é raptado e a vida desta muda drasticamente. 
Confesso que no início não estava a gostar muito, porque não é o genéro de livros que estou habituada a ler, mas continuei e ainda bem que o fiz. O livro é uma bomba!
Adoro a personagem Milla Edge, que apesar de andar à busca de criminosos, carregar armas e andar em investigações com a polícia nunca perde o seu lado feminino. É uma mulher corajosa e inteligente que faz tudo para recuperar o seu filho.
No seu caminho cruza-se com Diaz, um homem muito perigoso pelo qual sente uma forte atracção e chega mesmo a pensar que está maluca para sentir essa atracção. 
Ao longo que o livro se desenrola, vão-se atando várias pontas soltas que os levarão a desmantelar toda uma rede de tráfico infantil e tráfico de orgãos.
O livro é cheio de acção e é também muito comovente. Eu ADOREI este livro, adorei tudo…a forma da escrita, as personagens do livro, ADOREI o final 🙂
RECOMENDO!!!